Docentes do Ensino Superior conhecem novo instrumento de avaliação

O novo instrumento articula as dez dimensões do Sinaes em cinco eixos: planejamento e avaliação institucional; desenvolvimento institucional; políticas acadêmicas; políticas de gestão, e infraestrutura física

 

inep-fundo-transparenteNeste ano, 1,4 mil profissionais serão capacitados sobre o novo instrumento do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (Sinaes). A qualificação é específica para docentes do Banco de Avaliadores do Sistema Nacional de Avaliação (BASis), e será dividida em cinco etapas, em diferentes cidades brasileiras. Os profissionais cadastrados no BASis realizam visitas in loco para avaliar cursos e instituições de ensino superior.

A segunda fase da série de treinamentos terminou nesta terça-feira, 1º de abril, na sede do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), em Brasília. Nesta etapa, são orientados 150 docentes sobre o instrumento de avaliação institucional externa, que define indicadores para credenciamento, recredenciamento e transformação de organização acadêmica.

“No caso do ensino superior, o trabalho dos avaliadores é essencial para fornecer à sociedade condições claras e suficientes sobre como os diferentes alunos matriculados nas diferentes instituições estão sendo atendidos”, afirmou o presidente do Inep, Chico Soares, aos participantes da capacitação.

Para a diretora de Avaliação da Educação Superior, Cláudia Griboski, o encontro também é o momento para fortalecer a comunicação entre o Inep e os especialistas. “A capacitação é o espaço para que o avaliador esclareça todas as dúvidas que tiver em relação a esse instrumento e para discutirmos o que foi elaborado.”

O presidente da Comissão Técnica de Acompanhamento da Avaliação (CTAA), Gilberto Gonçalves, destaca que os docentes devem estar efetivamente preparados para as avaliações. “Eles têm um papel fundamental nesse processo e esse treinamento é imprescindível. É um momento privilegiado de troca de experiências.”

Já para a avaliadora de curso e instituição de ensino, Miriam Stassun, trata-se de uma oportunidade de aproximação entre os profissionais. “Além de estar perto das pessoas que trabalham no Inep, temos interação com os outros avaliadores, podemos resolver dificuldades na hora, pois temos uma diversidade enorme de situações de pessoas que vêm de vários lugares do Brasil”, observou.

Instrumento – O novo instrumento articula as dez dimensões do Sinaes em cinco eixos: planejamento e avaliação institucional; desenvolvimento institucional; políticas acadêmicas; políticas de gestão, e infraestrutura física. Em cada uma delas estão inclusos diversos indicadores que devem ser avaliados pelos docentes.

Além disso, apresenta como indutores de qualidade novos indicadores: egressos; internacionalização; inovação tecnológica e propriedade intelectual, e desenvolvimento regional.

Sisutec 2014 registra um milhão de inscrições

Do UOL, em São Paulo

O Sisutec 2014 (Sistema de Seleção Unificada da Educação Profissional e Tecnológica) registrou um total de 1.016.211 inscrições, encerradas na última sexta-feira (21).

Segundo informações do MEC (Ministério da Educação), o total de inscritos nessa edição chegou a 527.730 – cada candidato pode fazer até duas opções de curso. Leia mais

Sem cota, candidato de medicina no Sisu precisa de ao menos 752 pontos

Essa foi a menor nota de corte da carreira no Sisu do primeiro semestre.
Na Ufac, candidato teve de fazer 752,43 pontos na primeira chamada.
2014-03-24-medicinaA menor nota de corte de um curso de medicina na edição do primeiro semestre do Sistema de Seleção Unificada (Sisu) sem qualquer política de cota foi 752,43, segundo levantamento feito pelo G1. Essa nota mínima foi registrada na graduação em medicina da Universidade Federal do Acre (Ufac), uma das 53 instituições federais de ensino superior que ofereceram vagas na carreira pelo sistema do MEC.

O G1 obteve com exclusividade os dados do Ministério da Educação via Lei de Acesso à Informação, e publica, desde quarta-feira (19) até esta sexta (21), uma série de reportagens sobre o desempenho de cotistas no Sisu 2014 (veja abaixo as outras reportagens publicadas).

Leia mais

MEC muda regra para bolsas remanescentes do Prouni

Programa do governo federal concede bolsas de estudo no ensino superior.
Universidades não poderão cobrar mensalidades retroativas de bolsistas.
Do G1, em São Paulo

A partir de agora as universidades que receberem alunos contemplados por bolsas de estudo remanescentes do Programa Universidade para Todos (Prouni) não poderão mais cobrar mensalidades dos meses anteriores à matrícula do aluno. A portaria com as novas regras foi publicada no Diário Oficial da União desta sexta-feira (21).

Segundo o Ministério da Educação, antes da regulamentação, uma universidade que recebia um aluno bolsista do Prouni que estudava em outra instituição, durante o mês de março, por exemplo, cobrava a mensalidades dos meses de janeiro e fevereiro. A cobrança, no entanto, agora não é mais permitida.

Leia mais